Páginas do fala baixo! Click e conheça mais:

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Quando tocar dói - Como prevenir dores e lesões.


Não há nada mais prazeroso do que tocar um instrumento musical. Assim, como deve ser para o atleta praticar esportes, para as bailarinas realizar coreografias, para o pintor fazer quadros, enfim, quando fazemos aquilo que gostamos nos sentimos realizados.
No entanto devemos observar como nosso corpo se adapta à essas atividades. Para nós músicos, não seria diferente. Para tocarmos nossos instrumentos, precisamos ter uma postura correta. Uma postura correta nos ajuda a ser mais ágil, a ter mais flexíbilidade e mobilidade para a execução, além de prevenir dores e lesões, que se não forem observadas, podem destruir a carreira de alguém! Não é exagero! Devemos ter muito cuidado quanto à isso.
Antes de tocar e/ou estudar nosso instrumento, devemos preparar nosso corpo para essa atividade, afinal antes de qualque atividade nosso corpo se encontra ou em estado de relaxamento, ou em estado de tensão.
Portanto, devemos realizar exercícios de Alongamento e Exercícios de Aquecimento.

"Alongamentos são exercícios voltados para o aumento da flexibilidade muscular, que promovem o estiramento das fibras musculares, fazendo com que elas aumentem o seu comprimento. O principal efeito dos alongamentos é o aumento da flexibilidade, que é a maior amplitude de movimento possível de uma determinada articulação. Quanto mais alongado um músculo, maior será a movimentação da articulação comandada por aquele músculo e, portanto, maior sua flexibilidade."
 (Definição encontrada em http://www.faac.unesp.br/pesquisa/nos/mexa_se/alongamentos/imp_alongamentos.htm)

São esses exercícios que nos proporcionarão uma maior flexíbilidade, que é essencial para exercutarmos exercícios de técnica difíceis e trechos complicados fisicamente falando, pois aumentam nossas possibilidades de movimentos.

Os Exercícios de Aquecimento preparam nosso corpo para uma atividade, buscando uma integralização entre mente e corpo. Esses tipos de exercícios são dividos em duas subcategorias:


"Aquecimento geral: Os principais objetivos fisiológicos do aquecimento geral são: obter um aumento da temperatura corporal, da temperatura da musculatura e preparação do sistema cardiovascular e pulmonar para a atividade e o desempenho."


"Aquecimento específico: O aquecimento específico deve ser realizado após o aquecimento geral. Este tipo de aquecimento é fundamental nas modalidades esportivas coordenativas. Consiste em exercícios que se assemelham tecnicamente aos que serão executados na atividade posterior. "

(Definição encontrada em http://www.faac.unesp.br/pesquisa/nos/mexa_se/imp_aque.htm)

Como podemos observar, o aquecimento antes de uma atividade é muito importante, pois nos prepara para atividades coordenativas.
Sendo assim, esses exercícios são amplamente e totalmente recomendados antes de tocarmos e/ou estudarmos nosso instrumento, nos fornecem flexibilidade e nos preparam para isso.
Como já não bastasse tantos benefícios, eles ainda previnem dores e lesões.
Vai dizer que você nunca ouviu falar em LER (Lesões por esforço repetitivo)?

"O termo LER refere-se a um conjunto de doenças que atingem principalmente os membros superiores, atacam músculos, nervos e tendões provocando irritações e inflamação dos mesmos. A LER é geralmente causada por movimentos repetidos e contínuos com consequente sobrecarga do sistema músculo-esquelético. O esforço excessivo, má postura, stress e más condições de trabalho também contribuem para aparecimento da LER. Em casos extremos pode causar sérios danos aos tendões, dor e perda de movimentos. A LER inclui várias doenças entre as quais, tenossinovite, tendinites, epicondilite, síndrome do tunel do carpo, bursite, dedo em gatilho, sindrome do desfiladeiro toracico e síndrome do pronador redondo."
(Trecho disponível em http://cliquesaude.com.br/ler-lesao-por-esforco-repetitivo-204.html) 

Estudar um instrumentos musical não significa apenas aplicar a teoria musical à ele, à executar os mais bravos estudos ou tocar tudo o que ver pela frente. Quanto mais informações você dispor, de muitas áreas, melhor ainda, e isso se chama estratégia, de como melhorar, potencializar e aumentar o rendimento de seus estudos.
Então, tenha muito cuidado e atenção como você está tocando, faça alongamentos, aquecimentos, corrija sua postura e principalmente, respeite seus limites. A dor é um sinal de que algo anda errado naquilo que você fez ou está fazendo. Portanto, ao menor sinal de dor, pare de treinar, faça uma pausa, relaxe e repeite-se, pois não somos feitos de aço.
Comigo foi assim. Quando entrei para a Escola de Música do Estado do Maranhão, não haviam vagas para contrabaixo elétrico. Haviam então vagas para contrabaixo acústico, e eu comecei então a estudá-lo. Como não possuía um contrabaixo acústico em casa, tinha que passar horas na escola de música para colocar os programas de estudo sempre em dias. Sem contar que o contrabaixo acústico disponível para estudo mais parecia um varal, de tão altas que eram as cordas! Nos meses de férias, chegava a estudar contrabaixo acústico 7 horas por dia! Eu sempre tomei cuidado com minha musculatura, fazia alongamentos, me aquecia, mas não fiz o mais importante, eu não respeitei meus limites, não soube a hora de parar, queria a todo custo ser um bom instrumentista, um bom baixista... 
Então, no final do primeiro semestre de 2008, me apresentei em um recital, onde executei duas músicas. Essa foi minha última apresentação com o baixo acústico. No final da segunda música, senti um formigamento na mão esquerda e uma visgada agudíssima no punho esquerdo (quase erro as arcadas da peça). 
Eu ignorei esses sintomas, e continuei estudando e estudando, até que percebi que estava perdendo mobilidade, força e agilidade para realizar as posições e dedilhados no baixo acústico. 
Fiquei apavorado e procurei ajuda especializada. Fui a um ortopedista e realizei um ultrassom do punho e mão esquerda. O diagnóstico revelou que eu havia desenvolvido uma doença chamada Síndrome do Túnel do Carpo. Imediatamente tive que que abandonar os estudos de baixo acústico (ainda bem que existem os Uprights rs). Mas Deus é bom e fiel, e como o baixo elétrico possui cordas de menor calibre, ação mais baixa das cordas e um braço mais confortável, pude seguir meus estudos normalmente no contrabaixo elétrico. Graças ao Bom Deus, essa fase dolorosa passou e hoje levo meus estudos naturalmente, mas jamais ignoro sinais de dor e nem me descuido com alongamentos e aquecimentos.
Então a dica que dou para você baixista, que sabe como o nosso instrumento possui medidas e cordas mais pesadas que os outros, é se cuidar e respeitar seus limites, para que incidentes tristes como esse não venham a acontecer. E se por infelicidade venham a ocorrer, procure um médico ortopedista e a ajuda de um fisioterapeuta.

Espero que este artigo tenha sido muito útil e ajude pessoas a se prevenirem de dores e lesões.

Fiquem com Deus!!!

Dedico este artigo a mamuska, minha mãe Hanna, que esteve comigo durante toda essa fase crítica.

15 comentários:

  1. Valeu e obrigado pela visita!
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. ha obrigada pelo comentário!
    ha e seus textos tb são muito bons!

    ResponderExcluir
  3. Eu que agradeço sua visita!
    Continue visitando.
    Vamos nos seguir?
    No meu perfil tem meu msn, caso vc queira add.
    Obrigado por sua calaboração!
    Ter colaboradores é o mais importante!
    ^^
    Obrigado Novamente!
    ♫ ♬ ♪ ♩♫ ♬ ♪ ♩♫ ♬ ♪ ♩♫ ♬ ♪ ♩♫ ♬ ♪ ♩♫ ♬ ♪ ♩♫ ♬ ♪

    ResponderExcluir
  4. Oi Roberto.

    Sei bem do que você está falando. Desde pequena, sinto um desconforto nos pulsos, principalmente quando escrevo bastante. Vivia com os punhos enfaixados constantemente.

    Ao passar do tempo, isso ficou mais intenso. Comecei a sentir formigamento nos dedos e uma contração nos nervos das mãos, o que provoca fisgadas terríveis. Apesar de passar por ortopedistas e outros médicos e fazer alguns exames, nada foi constatado.

    Somente há pouco tempo,foi que um neurologista me indicou este exame que você mencionou no post acima, que pretendo fazer o mais rápido possível.

    Desculpa estar comentando somente agora,estava sem tempo da vez que visitei este espaço pela primeira vez, apesar de ler tudo o que escreveu,que aliás, é um conteúdo muito interessante.

    Fica na Paz!

    ResponderExcluir
  5. Olá querida Gerlane!
    Muito obrigado por retornar ao blog e ler nossas matérias e artigos!
    Realmente, problemas como estes não escolhem faixa etária e se não tratados corretamente podem causar problemas maiores ainda!
    Seja sempre bem vinda aqui!
    Fica com Deus!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. vera;adorei esta materia.

    ResponderExcluir
  7. Roberto, cara, ótimo post, já tinha lido algumas coisas no seu blog sobre administração do estudo de música. Nestes últimos dias eu tenho tocado bastante e estou com fadiga muscular nos antebraços. Aquecimento e alongamento são muito importantes, pelo menos para quem pretende tocar por muitos anos, hehehe.

    ResponderExcluir
  8. He he he

    Isso é verdade, devemos prestar muita atenção aos sinais de fadiga e esgotamento fisico.

    Obrigado pela visita e continue participando.

    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Gostei do post cara.Mto bom.Quando comecei, axo q era mto novo, terminava com os dedos vermelhos.Hj ja nao sinto mais assim.Repassem o aviso pessoal

    ResponderExcluir
  10. Obrigado pelo comentario e por sua participação Rafael César! Um abraço e continue navegando pelo blog!

    ResponderExcluir
  11. Parabens pelo post man, eu comecei a procurar por noticias desse tipo jah que comecei a tocar contrabaixo e a fissura foi alem dos limites, nao to consigo ficar sem analgesicos e tive que parar de tocar, estou sem tocar desde semana passada, estou preocupado porque a dor no nervo do ombro eh mto aguda e persistente, queira Deus me dar a vitoria pois consagrei a ele meu instrumento, sera que passa isso?

    ResponderExcluir
  12. Parabens pelo post man, eu comecei a procurar por noticias desse tipo jah que comecei a tocar contrabaixo e a fissura foi alem dos limites, nao to consigo ficar sem analgesicos e tive que parar de tocar, estou sem tocar desde semana passada, estou preocupado porque a dor no nervo do ombro eh mto aguda e persistente, queira Deus me dar a vitoria pois consagrei a ele meu instrumento, sera que passa isso?

    ResponderExcluir
  13. Parabens pelo post man, eu comecei a procurar por noticias desse tipo jah que comecei a tocar contrabaixo e a fissura foi alem dos limites, nao to consigo ficar sem analgesicos e tive que parar de tocar, estou sem tocar desde semana passada, estou preocupado porque a dor no nervo do ombro eh mto aguda e persistente, queira Deus me dar a vitoria pois consagrei a ele meu instrumento, sera que passa isso?

    ResponderExcluir